Solidão | 15Fev2010 08:00:00

Sinto o mundo a bombardear

Sinto clarões no ar

Sinto anjos a gritar

Sinto vendavais a arrastá-los.

Logo eu sinto uma amnistia

A transformar este mundo

Em paz, amor e alegria.

E o mundo jamais poderá ver

Esses anjos a gritar

As carroças a voar

Os comboios suspensos no ar

Os aviões a nadar

As formigas a fumar.

- E eu?

Eu, carregado de ouro e amor pra dar,

Já estava fatigado de gritar,

De gritar deste buraco,

Já sem esperança de ver o mundo

Se transformar para amar.

ia morrer no buraco esquecido

Com a fortuna que trazia comigo

Sem o mundo me deixar dar.

                                              


Partilhar:


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Procura
Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Idiomas
Sondagens
Gosta Do Surrealismo?
Sim
Não
Não sei o que isso é
Outras Visitas

lusopoemas

poesia

as-artes

afmach

rodinha26

gov

7pecados
Últimas Galeria





Anedotas
Dois amigos assistem a um recital de Piano. A meio da peça diz um para o outro:
- O que achas da execução.
- Execução não diria, mas da prisão perpétua não se safa.
Visitas Recentes