+ Quadras Soltas | 17Ago2011 16:03:32

 

Vivo no mundo aflito

Por ele não me dar a mão

Em qualquer canto eu sinto

Um morteiro e um canhão.

 

Não sinto um palmo de terra

Pra eu poder semear

A fortuna que trago comigo

Para o mundo, transformar.

 

Ter amigos é ter ouro.

Por isso é muito bom

Porque só o zé povinho

É que vai para a prisão.

 

Vivo no meio duma mascarada

Por este país, sem fim

Não tenho prazer nenhum

Em viver num mundo assim.

 

Neste mundo esquesito

Tudo nasce e tudo morre

Eu pergunto se é por tudo isto

Que há ódio, e há fome.

 

Caminho na solidão

Com o silêncio a meu lado

A onde ele me diz

Que serei, poeta e desgraçado.

 

As linhas das mãos dos homens

Não sevem só pra trabalhar

Infelizmente ao fim de uma vida

Também servem pra mendigar.

 


Partilhar:


Para poder comentar necessita de iniciar sessào.

Procura
Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Idiomas
Sondagens
Gosta Do Surrealismo?
Sim
Não
Não sei o que isso é
Outras Visitas

lusopoemas

poesia

as-artes

afmach

rodinha26

gov

7pecados
Últimas Galeria





Anedotas
Está uma avózinha na sua cadeira de baloiço, a fazer malha, quando a neta lhe pergunta:
- Avó, o que é um amante?
- O quê? - pergunta a senhora.
- Um amante, o que é?!...
A senhora larga tudo e, muito aflita, sobe ao sótão a correr e abre um guarda-roupa, de onde cai um esqueleto.
Visitas Recentes