Um Poema | 17Ago2011 15:55:19

 

Eu estava furioso

Quando me viste à janela

Por não ter visto as crianças

A brincar no mundo delas.

 

Era um ser silencioso

Meus olhos, olhando a rua

Perante a minha vidraça

A sentir cair a chuva.

 

A sentir cair a chuva

A sentir também o vento

Que à porta me batia

A cantar constantemente.

 

Eu imaginava o sol

Mas sim, um sol a brilhar

Pra crianças que dormiam

Dispersas cheias de frio.

 

E quando a noite chegou

A trevoada rompeu

Quase toda a madrugada,

Ao som da festa escrevi

Estes versos que senti

À simples luz de uma vela.



Ler mais | Comentários (0) | Visualizações (715)

1 a 1 de 1 Primeiro | Anterior | Seguinte | Último |
Procura
Painel controlo
  • Email:
  • Palavra-passe:
  • Lembrar dados
  • Ir administraçào


Idiomas
Sondagens
Gosta Do Surrealismo?
Sim
Não
Não sei o que isso é
Outras Visitas

lusopoemas

poesia

as-artes

afmach

rodinha26

gov

7pecados
Últimas Galeria





Anedotas
Vão dois canibais no autocarro e entra uma mulher sem um braço.
Diz um deles:
- Olha, é esta gaja que eu ando a comer.
Visitas Recentes